Crescendo em meio ao caos.

Cada um de nós nascemos puros, trazemos conosco o amor, leveza e a bondade em  nossos corações,entretanto, o mundo pode nos corromper de várias maneiras, todos estamos sujeitos a tal acontecimento,porém temos o livre arbítrio  para escolhermos deixar ou não que sejamos corrompidos.

É cientificamente provado que os primeiros 7 anos na vida de uma criança são os mais cruciais e  determinantes, pois sabe-se que é  na infância que se lançam as bases do desenvolvimento nos seus diversos aspectos: fisico, motores,sociais,emocionais,cognitivos,linguísticos, comunicacionais, morais, éticos, psíquicos e biológicos. Isso porque sexênio trocamos todas as substâncias do nosso organismo e esse processo reflete tanto em nosso comportamento quanto em nosso corpo físico. 

Nesse processo surgem os componentes básicos para um bom crescimento emocional e saudável : aleitamento materno, oferta de conforto e acolhimento ,estímulos de experiências sensoriais, respostas as necessidades do bebê – até mesmo antes do choro, presença física e constante de seus pais, avós e de quem a criança têm contato, presenças essas que devem  conter toque de carinho, espaço e tempo para brincadeiras. A criança precisa sentir que o mundo é bom, e através disso , desenvolver a confiança no ambiente em que vive e nas pessoas com quem convive. 
Adultos que se recordam de receber essas atenções em sua infância têm menos depressão, ansiedade, maior habilidade de enxergar a perspectiva de outras pessoas e de exercitar a compaixão. Esses são apenas alguns dos benefícios que uma infância feliz é capaz de proporcionar.

‘’Não é possível reparar mais tarde o que o educador negligenciou durante o primeiro setênio’’. – Rudolf Steiner

Todos trazemos conosco dons e talentos, que serão nossas virtudes e potenciais a serem desenvolvidos ao longo da vida, trazemos também desafios para o nosso próprio crescimento. Alguns desses desafios estão impressos em nosso DNA, assim como doenças genéticas e determinadas limitações físicas. Outros são gerados a partir  das escolhas que fizermos ao decorrer da vida. Mas independente de sua natureza, os desafios são instrumentos de aprendizado. 

Quem já teve a oportunidade de acompanhar o crescimento de  uma criança sabe que ela nasce confiando e amando  com toda sua pureza e bondade em seu coração . 

Uma criança que ainda não foi corrompida pela maldade do mundo e contaminada pelas misérias dos adultos à sua volta simplesmente pega na mão de seus pais vai sem saber aonde estão a levando, entretanto, aos poucos , ela deixa de confiar e começa  a ser  atingida pelo medo e pelo ódio na forma de desconfiança e insegurança , raiva e vingança.

Mas por que isso?Porque lhe ensinada dessa forma, desde pequeno uma criança aprende que é vítima das circunstâncias em seu exterior e com isso aprende que precisa se defender e cria seus mecanismos de defesa, adquire crenças e condicionamentos limitantes. São limitantes porque ao mesmo tempo em que serve para proteção , geram separação e esquecimento. Os muros que são construídos ao redor para se proteger são os mesmos que lhe mantém isolado do mundo.

Costumo dizer que  esses mecanismos de proteção e esquecimento é chamado de ‘’eu-inferior’’, ou ainda, maldade. Isso que conhecemos como maldade nada mais é do que um conjunto de mecanismos de defesa que desenvolvemos desde cedo para nos proteger da dor , dos choques de humilhação, rejeição e exclusão. 

Até os sete anos, as crianças são como esponjas, captam consciente e inconscientemente tudo que está ao seu redor. Isso significa que seu corpo etérico absorve todo tipo de sentimentos e pensamentos das pessoas de seu convívio. Ações e ideias morais ou imorais a permeiam, independente de serem explicadas ou justificadas; aliás, de nada adiantam regras e preceitos verbais, os quais entrarão por um ouvido e sairão pelo outro. O que ela precisa são exemplos e nada mais. Tudo o que as crianças captam veêm e sentem serão determinantes para seu crescimento e para a formação de seu carácter. 

ORAÇÃO PARA O PRIMEIRO SETÊNIO.

Da cabeça aos pés

sou a imagem de Deus.

Do coração às mãos

sinto o sopro de Deus.

Quando Deus eu avisto

em todas as partes,

em todas as pessoas queridas,

No papai e na mamãe,

no animal e na flor,

na árvore e na pedra,

não sinto medo de nada:

só amor

a tudo que está ao meu redor.

Rudolf Steiner

Uma criança que foi bem cuidada e teve todas as atenções de que precisava tem privilégios extremamente significativos em relação àqueles que não receberam tais benefícios. Isso acontece pelo simples fato de que as futuras atitudes vão depender muito das experiências vivenciadas nesse período. 

Eu vivi desde quando abri os olhos pela primeira vez um completo caos, nos meus primeiros 7 anos, o que eu vivi foi uma tortura, minha mãe simplesmente me abandonou,fui rejeitada diversas vezes por parentes e pessoas ao redor,  mas acredito que eu estava sendo preparada pela ‘’vida’’ para estar aqui hoje exatamente aonde estou, da forma que estou, escrevendo estas linhas como uma forma de inspiração para pessoas que passaram por dificuldades em sua infância e que ainda deixam  que isso influencie sua vida presente. É preciso nos libertar do que passou, perdoar que nos fizeram e seguir em frente. O mundo pode sim nos corromper , nossa família pode sim nos corromper, mas nossa pureza com a qual nascemos deve prevalecer e ser maior que tudo.

O que sempre me pergunto e ainda não encontrei respostas em nenhum dos livros que li, é o que acontece com uma criança que assim quando nasce já se é descartada? O que acontece com a mente desse ser que vem ao mundo com um coração puro, amando, e já é correspondida com o ódio e a maldade da pessoa que a gerou? Porque ninguém fala sobre esse assunto, ou escreve sobre? Ou eu sou uma pessoa leiga que não tive acesso ainda.

Pode uma criança que foi corrompida pela maldade dos pais e do mundo em geral, desde o nascimento, sendo jogada de mão em mão, sendo rejeitada, abusada, passando pelo mais diversos tipos de abusos, corporais, verbais, visuais, todos que possam imaginar, crescer sem maldade nenhuma, sem querer ,sem desejar maldade para o outro e para quem o fez maldade no passado? Bem, digo que sim, pois uma dessas pessoas esta aqui lhe escrevendo essas linhas .

Mas é possível que todos os indivíduos expostos a tal penitencia possam crescer sem sequelas na memória e no seu psicológico? Que possam crescer sem maldade ou violência para com os outros ? É possível que todas tenham a capacidade de se sairem bem de uma situação completamente obscura desde seus primeiros anos de vida? Porque será que existem tantas pessoas más no mundo? Porque será que existem ladrões? Pessoas que matam? Que invejam Que desejam o mal? Será por isso?  Será porque não conseguiram deixar que a sua pureza transcendesse diante a maldade ? Infelizmente são poucas as pessoas que conseguem essa dádiva e travar essa luta sozinha da qual não merecia e sair vencendo. Isso é um mérito, pois é difícil ser exposto ao caminho obscuro e espinhoso , assim que vem ao mundo, não desmereço os que não conseguiram ou não conseguem enfrentrar essa luta, mas compartilho minha jornada para que vejam que é possível sair ileso dessas batalha, e seguir uma vida radiante, é só querer, a resposta esta nos seus lábios, é só dizer sim.

Existe alguma coisa maior que consiga explicar isso? E o porque isso acontece? Creio que sim,  eu mesma conseguiria explicar, mas não é esse o ponto que quero chegar, o ponto que quero chegar é que eu fui uma vítima da crueldade da minha mãe, da minha família, do mundo que me rodeou quando pequena, e que, apesar de tudo, me transformei em uma pessoa de bom coração, que eu não deixei isso corromper minha bondade, o meu anseio por um mundo melhor, por pessoas melhores, por um mundo aonde o amor seja maior que o ódio, e a minha vontade de compartilhar essa história com meus futuros leitores e fazer com que tenham a coragem de viver e não ter medo de nada e serem felizes.

Mesmo tendo sido uma vítima consigo agradecer por isso, pois outrora, não estaria aonde estou,  não teria sido obrigada a pausar minha vida por um tempo, e não teria  o prazer de estar escrevendo minha história e compartilhar com o mundo, o mesmo mundo que em uma época me fez sofrer. Creio que a vida estava me preparando para ser a pessoa que sou hoje e que quero ser no futuro. Também comparo tudo pelo que passei como desafios ou obstáculos a lugares de parada na jornada da alma em evolução. A viagem é longa e muitas vezes nos sentimos cansados. À vezes precisamos parar para abastecer e nos alimentar, às vezes para cumprir acordo em lugares  específicos. Mas toda parada serve, para, de alguma maneira, nos recuperarmos e absorvermos aprendizados. As pausas servem para revermos a mapa da vida e nos situarmos na jornada. Nesses momentos, também podemos rever os lugares por onde andamos e os buracos pelos quais passamos , a fim de evitar novas quedas . Mas pararemos , principalmente, para resgatar partes nossas que ficaram presas no passado e para absorver determinadas lições . E, dessa forma , vamos nos fortalecendo para seguir rumo ao destino final.

Karen Padilha

 

Advertisements