Os piores pesadelos são aqueles que você reluta em mergulhar.

Muitas vezes são suas sombras que lhe impedem de trazer luz à situações consideradas absurdamente complicadas.

Manter a cabeça no lugar é o que fará deste que sua vida se torne revigorante, sendo assim, será possível perceber o mundo ao seu redor como uma verdadeira escola, e não como uma prisão.

Será menos frequente essa espécie de aprisionamento que lhe impede de agir da forma como deveria ou gostaria se você se dedicar fielmente a enfrentar os receios, por mais antigos e imensos que sejam.

Desenvolver sua coragem é como exercitar um músculo: na medida em que passar a encarar cada dia como um desafio transponível essencial ao seu crescimento enquanto ser humano, mais tranquila será a sua vida. É aquilo que muitos chamam de encarar os próprios demônios, uma forma de travar contato com o que há de pior em você, seja por meio de sentimentos, pensamentos e comportamentos. Uma postura digna de quem se importa consigo.

LIBERTE-SE DE TODA E QUALQUER REPREENSÃO.

Existe a tendência em deixar de lado todo o rancor e o medo a partir de uma tomada de decisões baseadas no seu reequilíbrio emocional para viver o momento presente de modo significativo.

A solução de muitos dos nossos problemas dependem da manutenção do canal de energia expandido e conectado com a fonte.

É hora ligar o plugue na tomada.

Afaste-se dos pensamentos limitadores colocando seu corpo em movimento. Limpe seu coração.

Imagine uma grande tocha de fogo queimando tudo que não lhe serve mais. Se elaborar esta cena no seu plano mental não for o suficiente, escreva em um papel tudo que você quer fora da sua vida agora, acenda uma vela alta e queime o papel e em seguida, coloque para tocar uma música animada e dance!  O que importa mesmo é saber o que lhe dá energia e vitalidade.

Não espere que a motivação venha de alguém ou de algum evento externo. Encontre-a dentro de você! Entusiasmo é a palavra-chave. Veja por exemplo a etimologia: in+theos, de origem grega. Literalmente, “Em Deus”. Portanto, o foco está em manter-se conectado com a força espiritual.

A negação e a distração vão trabalhar duro para mantê-lo fora da vida. Elas não querem que você viva uma vida que seja fundamentada, satisfatória e intencional. Se você quer viver sua vida dessa maneira, então você tem que decidir e se comprometer com isso. Você tem que dizer a si mesmo, regularmente, dia após dia, eu escolho viver para o que eu acredito ser importante.

Como Yogi Berra disse: "Se você não sabe para onde está indo, você vai acabar em outro lugar."

Karen Padilha

 

Publicado por Karen Padilha

Quem é Karen Padilha? O que dizer a uma pessoa que foi abusada sexualmente pelo pai e que quase foi vendida a uma família de estranhos pela própria mãe? Como será a vida de quem sofreu agressões físicas e psicológicas por parte da família? E o que esperar de quem considera a cocaína sua melhor amiga? Foi lutando contra esse passado devastador que a ex-modelo e hoje escritora Karen Padilha buscou forças para seguir em frente e prosperar em todas as vertentes de sua vida. Em “O que fizeram de mim? Sobre traumas e transformações”, Karen quer mostrar ao leitor sua trajetória de vida e as práticas que usou ao seu favor para transpor todas as barreiras que a vida colocou em seu caminho. E, claro, como aplicar cada uma dessas ferramentas em situações distintas e que todos podemos enfrentar. Karen mostra como a espiritualidade (sem tomar partido de religião ou de alguma crença, mas na fé que cada um possui em algo superior), a psicologia e a resiliência foram essenciais para reverter um quadro de total dependência das drogas em uma vida de reflexões e positivismo. Ela já iniciou seu pró ximo livro, também sobre a temática de como derrotamos nossos próprios fantasmas e trilhar novos rumos na vida. ''Brigando com meus demônios, tentando identificá‑los, um por um, sofrendo na pele o que é desejar cegamente uma coisa e não poder tê‑la. Isso porque o que se deseja é o que estava destruindo minha vida, e pode continuar, se eu permitir. Essa batalha ninguém pode vencer por mim, só eu posso me libertar, e algumas vezes me sinto tão fraca e chego a pensar que não conseguirei.” Uma jornada de autoconhecimento necessária para quem precisa se redescobrir e permitir novas aberturas nos rumos para sua vida. Histórias de vitória que nos inspiram e nos motivam a seguir a luta são sempre revigorantes. E é através de seus relatos de vida que Karen quer nos mostrar: Tudo vai ficar bem!

%d blogueiros gostam disto: