Arquivo da tag: fraqueza

Sendo ferozes em quem realmente somos.

Muitas vezes, por mais forte que seja e por mais guerreiro que se considere, há momentos de fraqueza na vida. No entanto, esquecemos que nem todas as fraquezas são realmente fracas. Ao usar nossos pontos fortes com compaixão, compreensão e amor e ao perdoar a nós mesmos por nossas fraquezas, chegamos mais perto de aceitar a fraqueza como parte de quem somos. Como parte do que você realmente é.

Por meio dessa aceitação, podemos obter mais entendimento sobre por que os temos e como podemos usá-los moralmente para nossas próprias vantagens e vantagens de outras pessoas. Aprendemos sobre como as fraquezas interagem e influenciam a vida cotidiana e as perspectivas individuais dela.

Existimos no infinito. Isso significa que tudo é possível. Infinidade universal. Trabalhando através dos ciclos do sol e existindo continuamente em nosso próprio poder. Agora, também existimos no finito. Os ciclos materiais da donzela, mãe e anciã.

Somos uma combinação de tudo o que nos rodeia e tudo o que está dentro de nós. Assim como dentro, assim fora e como em cima, assim embaixo cria cruzamentos de existência. Quando você sabe quem você é – você controla tudo e conjura oportunidades infinitas.

Mas como direcionar essas oportunidades sendo feroz em um momento de fraqueza?

Mantendo-se fiel a si mesmo e ao mundo exterior sobre suas razões para ter fraquezas e suas razões para pensar, falar palavras e agir. Ao reconhecer que não há problema em pensar, falar a palavra e agir. Uma vez que você comece essa aceitação de si mesmo, você pode começar a superar o medo das infinitas estradas para as quais seu caminho o leva e começar a interagir com seu ambiente e seu parceiro em um nível mais íntimo.

Você pode começar a experimentar efeitos de borboleta, sincronicidades e manifestações óbvias para experiências mais satisfatórias. Você pode ter mais oportunidades para remover fraquezas ou transformá-las em mais poder pessoal, se essa for sua escolha. Você pode receber sentidos aguçados ou até expandir sua consciência espiritual, permitindo que você passe mais tempo em um momento de apreciação em vez de ficar preso no passado ou no futuro.

O objetivo, se reconhecido pelo participante do jogo (você e eu), é utilizar a fraqueza como portadora de energia negativa em circunstâncias que podem influenciar um resultado positivo.

Claro, na maioria das vezes isso não é tão fácil quanto parece. Às vezes isso é feito com uma mentira reconhecida ou não ou com outros fatores desequilibrados. Interagir com o universo em todo o nosso poder feroz e glorificado pode e geralmente nos derrubará.

Por quê? Porque geralmente reagimos a partir do ego, com um falso senso de si mesmo e com um senso de egoísmo mesmo quando pensamos que estamos agindo em auto-sacrifício.

Uma das chaves (chaves que são pessoais para o indivíduo) para encontrar e permanecer em nossa ferocidade e em nossa capacidade de aplicar a fraqueza de maneira positiva é saber e confiar que experimentamos e reagimos ao nosso ambiente por meio de nossa vontade. Usamos nosso melhor conhecimento de nós mesmos, da situação e de nosso ambiente influenciador no momento em que estamos usando nossa vontade. Com esta chave, perdoamos nossos arrependimentos, enfrentamos nossos desafios e tomamos conta de nosso próprio destino em vez de esperar que alguém nos assegure que de fato não somos fracos.

Conhecimento de si mesmo e controle de si mesmo. Não é tão fácil de entender e muito menos aceitar.

Como conhecemos e aceitamos as verdades sobre nós mesmos e depois agimos de acordo com elas com confiança?

Existem inúmeras maneiras. Uma maneira é aceitar nossos próprios desafios com graça, beleza e talvez um pouco de leveza e humor. Usando nossos desafios para infligir nossa vontade em nosso ambiente, não prejudicando ninguém, mas enviando-o para apodrecer, transformar e crescer novamente.

Agora é hora de enfrentar nossas sombras, nossas fraquezas. Um tempo de deixar ir, de usar nossa vontade para empurrar para o mundo e para o universo. Tanto o que queremos quanto o que não queremos em nossas vidas.

Mas saber o que queremos e o que não queremos pode ser complicado. Às vezes, abraçamos a dúvida e dizemos a nós mesmos: “Se eu deixar ir, posso recuperá-lo?” ou “se eu deixar pra lá, vou me arrepender?”. E às vezes simplesmente mudamos de ideia.

Quando permanecemos ferozmente autênticos em quem somos e por que fazemos as coisas, essa dúvida fica em segundo plano. Mesmo que ainda esteja lá mordiscando nosso cérebro. Quando permitimos que nosso verdadeiro eu cause ação, por efeito, permitimos que o universo se reorganize ao nosso gosto. Não é egoísmo gostar da nossa vida ou do nosso modo de viver. É simplesmente aceitar quem somos, amar quem somos e é isso que nos torna ferozes por direito próprio.